Os mapas do Google

O meu filho Hélio percebe muito de tecnologias. E está sempre a pedir ajuda para comprar peças novas para o computador dele ficar mais potente e não se ir desactualizando e quando damos por nós já nem um email ou um filme dá para sacar. Agora a última coisa que lhe comprei é uma coisa impressionante. Ele montou tudo e nem precisou de instruções nem nada. Aquilo ainda foi caro mas nem lhe disse nada para não o desanimar, porque o dinheiro não é o mais importante e o futuro dos nossos filhos deve estar sempre à frente.


Comprámos uma placa que nos deixa navegar nos mapas do Google. E podemos ver todo o mundo, e não só de cima, podemos descer e fingir que somos pessoas e caminhar nas ruas e desviar dos carros e dizer adeus às pessoas pela câmara. Acho que em breve as pessoas vão deixar de viajar. Eu em 5 minutos fui ao marquês de pombal em lisboa e ainda fui à mercearia ao fundo da minha rua que não me estava nada a apetecer. Mas depois tive de lá voltar para ir buscar umas cebolas mas sem o computador porque isso ainda não dá, ou o meu filho Hélio não sabe.


Acho que a tecnologia faz bem às pessoas, mas esta dos mapas não adorei porque enjoei muito. Não sei se era por ir atrás, porque o meu filho Hélio estava numa cadeira à minha frente que é o lugar a que ele está habituado em frente ao computador e já tem os atalhos todos no teclado. No fim tive de comer uma refeição ligeira para acalmar o estomago. Nem consegui ir trabalhar de tarde e amanhã tenho de rachar o dobro da lenha que me lixo.

tags:
publicado por fax às 06:55 link do post | comentar | favorito